Natal?

Porque eu NÃO comemoro o Natal

Havia decidido por mim mesmo não querer mais explicar, a quem me pergunta, porque eu fico em casa no dia 24 como fiquei no dia 23 ou em qualquer dia do ano. É um tanto desgastante falar sobre isso, inclusive com aqueles que confiam no mesmo Senhor e Salvador. Em se tratando dos familiares e colegas de trabalho, tenho sido muito econômico em meus comentários.

Tudo que é diferente ao que o mundo faz ou pensa causa espanto. O “diferente” assusta. Uma bomba de apelidos e títulos degradativos explode contra o “diferente”. Para alguns, estou querendo colocar uma melancia no pescoço, mas de fato meu Deus sabe que não há qualquer orgulho de minha parte por TODO O FINAL DE ANO eu ter que ficar nadando contra a correnteza. É cansativo sim, mas estou em paz diante de Deus e do meu Senhor Jesus.

Quando eu era criança, recordo-me do quanto esperava por esta “véspera de natal”. Especialmente quando meus pais, mediante grande esforço, amor e carinho, davam-me aquele presente que esperei o ano todo. Todos trocavam presentes, saboreavam uma boa refeição, abraçavam-se, etc. Chegava então o momento em que a família agradecia a Deus pelo “nascimento (natal) de Jesus”, normalmente com uma reza. Assim éramos ensinados que o natal não é um evento comercial (mesmo tendo havido muito gasto por uma “boa” motivação), mas um momento em que deveríamos comemorar o “natal de Jesus”.

O mundo, nos dias que antecedem à noite do dia 24/12, divide-se ou se mistura nestas três motivações: comercial, familiar e religiosa. Sem criticar ou acusar a sinceridade de qualquer, no meu entender tudo isso é questionável! Os que celebram por motivações religiosas, normalmente correm às lojas para gastarem suas gratificações natalinas, alimentando o comércio. As motivações familiares são, no meu entender, as mais inofensivas, pois em si mesmo não há qualquer mal em que a família esteja reunida (muito pelo contrário), neste ou em qualquer dia!  Uma família unida é unida todos os dias, e não em apenas um dia por ano. Já os que celebram por motivações comerciais, especialmente os comerciantes, é um ótimo momento para triplicarem os lucros às custas desta euforia que impera no mundo. E o “mascote vermelho, velho, gordo e barbudo” é mais desejado pelas crianças do que seus próprios pais! Essa figura não merece qualquer comentário a mais.

A esperança do mundo se resume em “paz, muito dinheiro no bolso, saúde para dar e vender”.

Que paz?

Não há paz para os ímpios, diz o meu Deus (Is. 57:21).

Não conheceram o caminho da paz (Rm. 3:17).

Muito dinheiro no bolso?

Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? (Mateus 16:12)

OK, pode ser que encontremos alguém ou alguma família que, com integridade, foge do comércio feroz e se satisfazem em presentearem seus entes com presentes e refeições simples, para que toda a atenção seja canalizada para o “nascimento de Jesus”. As motivações familiares também são muito intensas, a ponto de aqueles que optam por não participarem são taxados de anti-sociais ou acusados de quebrarem os laços familiares (mesmo sendo presente todo o ano). Isso também é questionável!

Sem arrazoar mais, limito-me apenas a dizer porque eu não comemoro o Natal, de nenhuma forma. Está escrito:

Todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciais a MORTE do Senhor, até que venha (I Cor. 11:26).

Fazei ISSO em memória de mim (Lc. 22:19).

Não é de se admirar que, enquanto Jesus ordena aos Seus lembrarem da Sua MORTE, o mundo inteiro insiste em fazer diferente do que Ele ordenou, mesmo que isso seja celebrar o Seu NASCIMENTO! Ah tá, o mundo religioso celebra a MORTE em outra festa, chamada “páscoa”. Todavia ignoram ou não aceitam o fato que a “páscoa” era uma festa judia, em comemoração da saída do povo de Israel do Egito, pela mão de Moisés e poder de Deus. Bom, não quero falar dessa “páscoa” que o mundo entende e pratica.

O povo de Deus deve celebrar o nascimento, a vida, a morte, a ressurreição e a glória dAquele que veio ao mundo e morreu pelos meus pecados, e assim deve fazer CONFORME Ele mesmo determinou, e não nos moldes do mundo. Eu teria outros argumentos históricos para fugir desse “natal” entendido e praticado pelo mundo religioso (http://pt.wikipedia.org/wiki/Natal) mas minha real FALTA de motivação em participar desta festa pagã (não se ofendam comigo, é o que eu creio) é tão-somente bíblica.

Você sinceramente quer lembrar do nascimento de Jesus hoje à noite? Porque então não para um pouco e considere PORQUE Ele veio ao mundo, morreu e ressuscitou? Desafio você a isso e oro a Deus para que você compreenda o Seu plano de salvação. A beleza e as luzes destas festas de finais de ano perderão o seu brilho quando você conhecer verdadeiramente a Jesus, a verdadeira Luz do mundo.

Deixe uma resposta